dinheiro traz felicidade

Dinheiro não traz felicidade – crença limitante

Quando estudamos crenças, a pergunta nunca deixa de se apresentar. Especificamente quem disse que o dinheiro não traz felicidade ?


Será que foi um  filosofo, um escritor , um psicólogo, um jornalista, um religioso, um patrão, um pai, um cantor, um mendigo, um persuasor?

Se observar a  vida de qualquer um que fale sobre essa crença com convicção , vai perceber que nenhum deles abriu mão  do dinheiro. Então se o dinheiro não traz felicidade, porque não ignora-lo e viver com o mínimo  para sobreviver? Talvez a resposta seja, porque é mais feliz com ele, do que sem ele.

 

O que traz mais felicidade, o dinheiro ou a falta dele?

Pense nas pessoas que estão em hospitais públicos, sendo mal atendidos, no trabalhador que sai de madrugada para trabalhar, pense nas crianças de rua que não tem aonde se abrigar nos dias de frio, nos mendigos que reviram lixo pra matar a fome, no menino que sonha com uma bicicleta, no jovem que deseja entrar para faculdade, no casal que precisa levar o filho na escola em dias de chuva, no velhinho que necessita de cuidados especiais, no empresário que precisa pagar a folha de pagamento em épocas de crise, em você próprio quando tem uma conta para pagar e não possui dinheiro suficiente. É certo que ele não pode garante a felicidade, mas é certo também que o dinheiro traz felicidade em praticamente 100% das vezes.

Tudo o que podemos comprar traz felicidade

Ganhar um presente traz felicidade, ganhar um abraço traz felicidade, ganhar um carro traz felicidade, fazer exercício traz felicidade, assim como o dinheiro traz felicidade  e tudo o que podemos comprar com ele. Pelo menos é assim que deveria pensar quem quer  tê-lo em abundância.

DILTS (1993) escreve sobre crenças sendo uma das estruturas mais importantes do comportamento. Quando realmente acredita-se em algo diz o autor, os comportamentos seguem de maneira congruente com essa crença.

 

A crença de que dinheiro não traz felicidade

A crença que temos a respeito do dinheiro define nossos resultados financeiros. Então aquele que quiser ter mais dinheiro, tem que pensar na felicidade que ele pode trazer. E não tentar desqualifica-lo em sua mente e na sociedade. O subconsciente vai entender essa mensagem que entra pela porta (mente consciente) como uma ordem para afastá-lo do dinheiro, afinal sua crença maior é a busca da felicidade.

 

Segundo KAHNEMANN (2011), acredita-se que saber o que se passa na mente, o que muitas vezes consiste em um pensamento consciente levando ordenadamente a outro. Mas esse não é o único modo como a mente funciona, nem tampouco é de fato o modo típico. A maioria das impressões e pensamentos surge em sua experiência consciente sem que se saiba como foram parar lá.[…] O trabalho mental que gera impressões, intuições e diversas decisões ocorrem silenciosamente na cabeça.



 

O dinheiro não GARANTE a felicidade, mas a traz em porções

É certo que o dinheiro não GARANTE a felicidade que é diferente de não trazer a felicidade. Sempre que ganhamos dinheiro, nos sentimos felizes, depois de um tempo essa felicidade passa e queremos mais. Então na verdade o dinheiro traz a felicidade, mas não garante que ela permaneça para sempre, como tampouco um novo relacionamento, um carro novo, um presente, um abraço possa garantir. Todos trazem felicidade, mas não garante a continuidade para sempre.  Vamos querer mais coisas e experiências para nos sentirmos felizes.

Viver negando o desejo que temos de aproveitar a vida, se esconder atrás de crenças que nos limitam, trair sonhos e desejos para não ferir o que acreditamos no fundo de nosso amago, pode trazer algum conforto cognitivo, mas não a garantia da felicidade. Se felicidade vem em pedaços, o dinheiro traz felicidade em porções.

 

 

 

 

TAGS:  dinheiro fácil x dinheiro difícil , Dinheiro traz felicidade, mente abundante, crenças limitantes, o dinheiro não traz felicidade, crenças limitantes sobre o dinheiro, dinheiro na mão é vendaval. Imagem: Pixabay

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: